Artigos publicados em periódicos

Acesso aberto aos artigos publicados pelos integrantes do LaboMídia em 2013.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos [ Descendente ]

TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TECNOLOGIAS E A FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES SOBRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 352.79 kB
Downloads: 1824

LISBOA, Mariana Mendonça; PIRES, Giovani de Lorenzi. Tecnologias e a formação inicial do professor de Educação Física: reflexões sobre a educação a distância. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 60-81, jan./abr. 2013.

RESUMO

Seguindo a tendência das políticas públicas educacionais de incentivo à formação de professores, começamos a verificar a existência e ampliação da oferta de cursos de formação de professores de Educação Física na modalidade à distância. Neste sentido, nosso objetivo neste ensaio é refletir sobre algumas questões que se colocam como desafios, limites e possibilidades frente à educação a distância no âmbito da formação inicial de professores de Educação Física. As dúvidas e críticas recaem sobre a qualidade e os possíveis prejuízos que esta formação poderia trazer ao desvalorizar as experiências práticas e a educação em/com/através do movimento.

MÍDIA-EDUCAÇÃO E RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS MÍDIA-EDUCAÇÃO E RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 702.08 kB
Downloads: 1412

FANTIN, Monica; FERRARI, Rodrigo. Mídia-Educação e Recursos Educacionais Abertos: mediações e práticas de produzir/criar, encontrar e publicar na cultura digital. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 142-164, jan./abr. 2013. 

RESUMO

O artigo analisa alguns aspectos da cultura digital e as práticas culturais que as redes propiciam. A dimensão de autoria e produção nas redes digitais necessita mediações, e nesse sentido o texto enfatiza a importância de uma abordagem culturalista e ecológica da mídia-educação e suas perspectivas críticas, metodológicas e expressivas para assegurar diversas formas de participação nos processos educativos e na cultura. Para qualificar as formas de tal participação, o texto destaca a importância do entendimento dos novos letramentos e da alfabetização para internet como práticas sociais. Entre a diversidade de práticas pedagógicas nos contextos formativos e na cultura digital, o artigo discute outras formas de encontrar, criar e publicar recursos educacionais abertos e a importância de ressignificar os usos dos repositórios digitais na formação.

O ESPORTE-SIMULAÇÃO O ESPORTE-SIMULAÇÃO

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 489.97 kB
Downloads: 1250

MORAIS, Rodrigo Augusto Resende; MENDES, Diego de Sousa. O esporte-simulação: o que é possível aprender com os jogos eletrônicos? Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 209-238, jan./abr. 2013.

RESUMO

O videogame assume forma relevante em nossa sociedade, assim, este trabalho buscou compreender como esta tecnologia pode se integrar à Educação/Educação Física. A partir de entrevista com jovens jogadores, tentamos evidenciar quais as possibilidades de aprendizado sobre esportes nos games, e para tanto, pesquisamos os jogos eletrônicos “Brasfoot” e “Cartola FC” (estes se enquadram nas categorias Manager Game e Fantasy Game, respectivamente). A pesquisa é constituída por um levantamento dos estudos sobre o tema, entrevista com dois jogadores de 15 anos, e análise de dados por meio de análise de conteúdo. Observamos que o aprendizado não se manifesta apenas na área Educação Física, e a mediação docente é essencial para o esclarecimento de contradições presentes nos games. Consideramos que o uso dos games pode levar à substituição das experiências formativas, mas também é fonte de saberes relevantes para os sujeitos do estudo, o que leva a necessidade de ver os jogos eletrônicos como um aliado no ensino de questões sobre a cultura esportiva.

CULTURA PARTICIPATIVA, MÍDIA-EDUCAÇÃO E PONTOS DE CULTURA CULTURA PARTICIPATIVA, MÍDIA-EDUCAÇÃO E PONTOS DE CULTURA

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 333.75 kB
Downloads: 1235

GIRARDELLO, Gilka; PEREIRA, Rogério Santos; MUNARIM, Iracema. Cultura participativa, mídia-educação e pontos de cultura: aproximações conceituais. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 239-258, jan./abr. 2013.

RESUMO

Este artigo é um exercício de aproximação entre dois referenciais teórico-metodológicos estudados em nosso grupo de pesquisa nos últimos anos, sempre à procura de responder às demandas educativas dos contextos em que atuamos, em ensino, pesquisa e extensão. O primeiro desses quadros de referência é o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva – criado no ano de 2004 pelo Ministério da Cultura para potencializar iniciativas já existentes no país e estimular e fortalecer uma rede nacional de criação e gestão cultural. Nossa reflexão toma como base os Novos Mapas Conceituais (BRASIL, 2009) sistematizados de forma colaborativa nos documentos do projeto Cultura Viva. O segundo quadro teórico de referência é a síntese propositiva dos desafios que a cultura participativa contemporânea coloca à mídia-educação, elaborada por um grupo de pesquisadores norte-americanos sob a coordenação de Henry Jenkins (JENKINS et al., 2006). Outro tema que atravessa a discussão neste artigo é o da tradução como mediação intercultural, que surge na busca por fazer aproximar e convergir ideias sobre mídia-educação e cultura participativa advindas de diferentes domínios linguísticos e culturais. A reflexão sobre essas diferentes realidades (propostas práticas, quadros teóricos e documentos) tenta resumir e organizar um imenso número de questões, por meio de um trabalho coletivo, polifônico e comprometido com as práticas culturais cotidianas, em escolas e comunidades. Nossa tentativa de “fazê-los conversar”, aqui apenas iniciada, é necessariamente um convite a que mais colegas entrem na conversa.

OSCAR PISTÓRIUS, UM DEFICIENTE EFICIENTE? OSCAR PISTÓRIUS, UM DEFICIENTE EFICIENTE?

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 421.56 kB
Downloads: 1277

ZOBOLI, Fabio; QUARANTA, André Marsiglia; MEZZAROBA, Cristiano. Oscar Pistórius, um deficiente eficiente? Considerações sobre a segregação/inclusão no paradesporto: um olhar a partir da mídia. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 259-286, jan./abr. 2013.

RESUMO

Neste texto, abordamos as questões pertinentes à inclusão e segregação que puderam ser observadas ao se fazer o acompanhamento de um veículo midiático em relação a Oscar Pistórius, atleta sul-africano, e toda polêmica que o envolveu quando do Mundial de Atletismo/2011 realizado na Coreia do Sul, entre 27 de agosto a 04 de setembro. Analisamos o Portal Globo.com, acompanhando as notícias sobre a participação de Pistórius no período de um mês. Foram 24 notícias relacionadas, sendo analisadas 23 delas a partir da hermenêutica de profundidade. Percebemos a existência de um agendamento em relação ao referido atleta, pelo seu ineditismo e polêmica envolvida, ou seja, ser o primeiro atleta biamputado a competir em eventos competitivos para atletas sem deficiência – embora o foco tenha sido simplista, sem aprofundar tal questão. A partir do que foi investigado, visualizam-se as tensões geradas entre as questões de segregação e inclusão, pelas oposições entre “normal” versus “deficiente”, entre “homem” versus “máquina”. Esta última – mistura homem x máquina – é constatada tanto nos fragmentos de textos das reportagens analisadas como também no material fotográfico que acompanha as notícias. Outra consideração que pode ser feita sobre a pesquisa realizada é sobre uma possível redefinição do conceito de conquistas atléticas, já que Pistórius, com seu ineditismo e sua polêmica, quebra paradigmas nesse processo de segregação/inclusão e coloca em xeque a natureza humana com o uso de suas próteses mecânicas.