Artigos publicados em periódicos

Acesso aberto aos artigos publicados pelos integrantes do LaboMídia em 2013.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos | [ Ascendente ]

OS PADRÕES DE BELEZA CORPORAL MASCULINO OS PADRÕES DE BELEZA CORPORAL MASCULINO

hot!
Adicionado em: 06/02/2014
Date modified: 06/02/2014
Tamanho: 4.61 MB
Downloads: 1482

CORREIA, Elder Silva; ZOBOLI, Fabio; MEZZAROBA, Cristiano. Os padrões de beleza corporal masculino e as interfaces com a cultura, a ciência e o mercado. Praxia - Revista Online de Educação Física da UEG, Quirinópolis/GO, v.1, p. 21-36, 2013. Disponível em: <http://www.prp.ueg.br/revista/index.php/praxia/article/view/891>.

RESUMO

O presente texto apresenta alguns conceitos e aproximações no que tange à triade cultura ciência e mercado, tendo o padrão de beleza corporal masculino como foco de tensão e diálogo. A partir dessa relação, analisamos de que forma esses padrões de beleza corporal afetam a subjetividade do homem a fim de que o mesmo a materialize no seu corpo - subjetivação/objetivação. A cultura subjetiva um modelo de corpo e, para subsidiá-lo, existe um mercado que instrumentaliza o homem para materializar tal corpo sugerido. Esse mercado é amparado por toda uma ciência/tecnologia que cada vez mais está se superando na tentativa de atender às necessidades instituídas por esses arquétipos. Sob esse aspecto, o texto também faz alusão ao possível papel da Educação Física em meio a essa relação complexa de engrenagens que abarcam a cultura, ciência e mercado, responsáveis pela construção dos padrões de beleza corporal masculina.

A BUSCA PELO ENSINO DO ESPORTE DA ESCOLA A BUSCA PELO ENSINO DO ESPORTE DA ESCOLA

hot!
Adicionado em: 04/11/2013
Date modified: 04/11/2013
Tamanho: 393.68 kB
Downloads: 1465

SANTOS, Silvan Menezes dos; MEZZAROBA, Cristiano. A busca pelo ensino do esporte da escola em meio às manifestações do fenômeno esportivo na sociedade contemporânea. Revista Conhecimento Online, Novo Hamburgo/RS, ano 5, Vol. 2, Outubro de 2013. Disponível em http://www.feevale.br/Comum/midias/e763ae8e-8ae9-4cc4-8063-f0a76e4099f1/1-A%20BUSCA%20PEL0%20ENSINO.pdf

RESUMO

Neste relato de trabalho monográfico concluído em julho/2011, trazemos discussões de uma observação participante em uma turma de 8º ano no CODAP/UFS, com o intuito de realizar uma proposta que fosse efetivada como possibilidade de pedagogização do esporte, a partir de uma experiência de prática de ensino realizada durante o Estágio Supervisionado do curso de licenciatura em Educação Física e que foi balizada por princípios das concepções pedagógicas críticas da Educação Física. Notou-se como os aspectos ligados ao discurso midiático, à técnica corporal vinculada ao esporte de rendimento e também à forte relação da temática “gênero” no contexto esportivo estão presentes e são importantes na formação dos sujeitos e na própria formação profissional dos futuros professores de Educação Física.

Jogos da Cultura Popular no Brasil e Uruguai: um estudo de casos na Educação Física escolar Jogos da Cultura Popular no Brasil e Uruguai: um estudo de casos na Educação Física escolar

hot!
Adicionado em: 03/10/2013
Date modified: 03/10/2013
Tamanho: 268.17 kB
Downloads: 1461

PIOVANI, Verónica G. Silva; PIRES, Giovani De Lorenzi. Jogos da Cultura Popular no Brasil e Uruguai: um estudo de casos na Educação Física escolar. Revista Licere, v. 16, n. 3, setembro/2013.

 

RESUMO: O objetivo do estudo foi analisar e comparar as manifestações dos jogos da cultura popular e seu intercâmbio entre turmas de dois países, na Educação Física escolar. A proposta metodológica se fundamentou no estudo de caso. Os resultados evidenciaram que as brincadeiras tradicionais são estímulo para as crianças construir e compartilhar sua aprendizagem; em alguns contextos estão sofrendo certo esquecimento/desconhecimento e estão fortemente influenciadas pelas diferenças de gênero. Sugere-se que a EF escolar, no Brasil e no Uruguai, explore as possibilidades de seu ensino, problematizando estes aspectos, para não omitir seu conhecimento na construção da cultura corporal de movimento das crianças.

PALAVRAS CHAVE: Jogos e Brinquedos. Educação Física e Treinamento. Atividades de Lazer. 

Cultura colaborativa e gestão do conhecimento em esporte e lazer Cultura colaborativa e gestão do conhecimento em esporte e lazer

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 286.06 kB
Downloads: 1408

FERRARI, Rodrigo Duarte; PIRES, Giovani de Lorenzi. Cultura colaborativa e gestão do conhecimento em esporte e lazer. Motriz, Rio Claro, v.19 n.2, p.288-297, abr./jun. 2013.

RESUMO

A partir da experiência de desenvolvimento e administração do RIRC, um projeto realizado pelo LaboMídia/UFSC com o apoio da Rede CEDES/Ministério do Esporte, delimitamos o uso desse repositório digital como objeto de pesquisa de uma dissertação de mestrado. Dessa forma, organizamos esse trabalho com base nas discussões teóricas que envolvem a gestão da informação e do conhecimento no âmbito do esporte e lazer brasileiro, sobretudo, pelos princípios do movimento mundial a favor da promoção do acesso aberto à informação e conhecimento científico. Nesse contexto, investigamos como o RIRC era percebido pelos gestores e pesquisadores da Rede CEDES, durante os anos de 2010 e 2011. A delimitação deste problema de pesquisa criou condições para observar e refletir sobre o compromisso social e político dos integrantes da Rede CEDES em organizar e disponibilizar as produções dessa ação ministerial. Sendo assim, descrevemos, analisamos e refletimos sobre a percepção dos integrantes da Rede CEDES em relação ao RIRC, no escopo da gestão da informação e do conhecimento em esporte e lazer. Realizamos treze entrevistas com os integrantes da Rede CEDES no período de 19/11/2010 até 14/09/2011 e utilizamos algumas estatísticas do RIRC e da própria rede como dados. Por conta dessa estrutura, esta pesquisa se caracterizou como um estudo de caso qualitativo, entendimento que nos orientou durante a coleta, análise, discussão e interpretação dos dados. Após a construção dos caminhos teóricos e metodológicos definimos quatro eixos de discussão dos dados: a) Contexto sócio-histórico de construção da Rede CEDES; b) O processo de desenvolvimento do RIRC; c) O RIRC como política pública; e d) O RIRC no contexto da cultura participativa. O diálogo entre esses eixos e o referencial teórico fundamenta a apresentação dos achados desta pesquisa, dos quais destacamos inicialmente que o RIRC é percebido pelos integrantes da Rede CEDES entrevistados como uma iniciativa relevante no âmbito das políticas públicas em esporte e lazer no Brasil. Todavia, menos de 20% do potencial do sistema foi utilizado pelos integrantes da Rede CEDES no período em que realizamos essa investigação. Isso indica que há contradições entre um discurso pautado pelas qualidades ideais dos repositórios digitais e do acesso aberto em contraste com a prática efetiva que deveria materializar esse discurso. Entre outras reflexões, consideramos que o RIRC se configura como uma ferramenta que demonstra algumas necessidades relativas às possibilidades de mudanças culturais dos integrantes da Rede CEDES, no que se refere à produção e veiculação das informações e conhecimentos da rede, para que a proposta se efetive. Isso depende, principalmente, do Ministério do Esporte considerar a inclusão da gestão das informações e dos conhecimentos de interesse público em acesso aberto, como prioridade da política ministerial no campo do esporte. Com base na literatura científica e nos dados dessa pesquisa, compreendemos que a definição e o cumprimento de um mandado que garanta o autoarquivamento no RIRC pelos pesquisadores da Rede CEDES poderia ser um primeiro passo. Todavia, o RIRC é uma proposta isolada na estrutura do ME e não foi desenvolvido para atender todas as demandas desse ministério. Esse fato subsidia nossa compreensão de que não podemos pensar na materialização de uma proposta de gestão da informação e do conhecimento em esporte e lazer, como política pública do ME, enquanto o RIRC for a única ação concreta com esse propósito no ministério.

OSCAR PISTÓRIUS, UM DEFICIENTE EFICIENTE? OSCAR PISTÓRIUS, UM DEFICIENTE EFICIENTE?

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 421.56 kB
Downloads: 1383

ZOBOLI, Fabio; QUARANTA, André Marsiglia; MEZZAROBA, Cristiano. Oscar Pistórius, um deficiente eficiente? Considerações sobre a segregação/inclusão no paradesporto: um olhar a partir da mídia. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 259-286, jan./abr. 2013.

RESUMO

Neste texto, abordamos as questões pertinentes à inclusão e segregação que puderam ser observadas ao se fazer o acompanhamento de um veículo midiático em relação a Oscar Pistórius, atleta sul-africano, e toda polêmica que o envolveu quando do Mundial de Atletismo/2011 realizado na Coreia do Sul, entre 27 de agosto a 04 de setembro. Analisamos o Portal Globo.com, acompanhando as notícias sobre a participação de Pistórius no período de um mês. Foram 24 notícias relacionadas, sendo analisadas 23 delas a partir da hermenêutica de profundidade. Percebemos a existência de um agendamento em relação ao referido atleta, pelo seu ineditismo e polêmica envolvida, ou seja, ser o primeiro atleta biamputado a competir em eventos competitivos para atletas sem deficiência – embora o foco tenha sido simplista, sem aprofundar tal questão. A partir do que foi investigado, visualizam-se as tensões geradas entre as questões de segregação e inclusão, pelas oposições entre “normal” versus “deficiente”, entre “homem” versus “máquina”. Esta última – mistura homem x máquina – é constatada tanto nos fragmentos de textos das reportagens analisadas como também no material fotográfico que acompanha as notícias. Outra consideração que pode ser feita sobre a pesquisa realizada é sobre uma possível redefinição do conceito de conquistas atléticas, já que Pistórius, com seu ineditismo e sua polêmica, quebra paradigmas nesse processo de segregação/inclusão e coloca em xeque a natureza humana com o uso de suas próteses mecânicas.