Artigos publicados em periódicos

Acesso aberto aos artigos publicados pelos integrantes do LaboMídia em 2013.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos [ Ascendente ]

Entre as mídias e o urbano Entre as mídias e o urbano

hot!
Adicionado em: 17/09/2013
Date modified: 17/09/2013
Tamanho: 473.05 kB
Downloads: 1117

PEREIRA, Rogério Santos; Et al. Entre as mídias e o urbano: polifonia e agendamento da Copa do Mundo da FIFA 2014 na cidade de Florianópolis. Praxia, UEG, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 131-151, 2013.

RESUMO: 

Esta pesquisa objetivou investigar os modos de agendamento para a Copa do Mundo da FIFA de 2014, a realizar-se no Brasil, a partir de uma etnografia na cidade de Florianópolis – SC. O campo, denominado “Triângulo Nervoso”, teve como limite espacial o centro da cidade e temporal o período de realização da Copa do Mundo da FIFA na África do Sul (2010). Ao se considerar a hipótese de que a referida Copa poderia servir de alavanca para a publicização da Copa no Brasil, tomamos como objeto as “mídias urbanas” (outdoors, vitrines, panfletos, etc.) além dos diversos discursos citadinos. Tal polifonia aponta para um “não agendamento”, haja vista a “mudez” da urbe sobre a temática.

Educação Física e tecnologias de informação e comunicação - TICs: uma aproximação para a transformação? Educação Física e tecnologias de informação e comunicação - TICs: uma aproximação para a transformação?

hot!
Adicionado em: 02/06/2013
Date modified: 02/06/2013
Tamanho: 834.53 kB
Downloads: 1258

LISBOA, M.; ZIEGLER, A. Educação Física e tecnologias de informação e comunicação - TICs: uma aproximação para a transformação?. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade. Salvador/BA, v.1, n. 1, p. 153-158, jul.-dez./2012. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/entreideias/article/view/6604/4860. Acesso em: 01 Jun. 2013.

RESUMO

A nossa aproximação com o trabalho resenhado a seguir, ocor- reu após um levantamento da produção em Educação Física e Mídia nos Programas de Pós-Graduação em Educação do Brasil, realiza- do como uma tarefa didático-pedagógica da disciplina Seminário Avançado de Pesquisa em Educação Física, Mídia e Tecnologias1, no Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF) da Uni- versidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Concomitantemente, foi lançado o desafio de nos debruçarmos com mais profundidade e detalhamento em uma pesquisa (tese), refletindo e dialogando com/sobre os saberes e fazeres científicos da temática de estudo. 

DIALOGICIDADE COMO DESAFIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO E MÍDIA DIALOGICIDADE COMO DESAFIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO E MÍDIA

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 500.49 kB
Downloads: 1264

LEIRO, Augusto Cesar Rios; RIBEIRO, Sérgio Dorenski Dantas. Dialogicidade como desafio de pesquisa em educação e mídia. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 360-388, jan./abr. 2013.

RESUMO

Trata-se de um ensaio que discute o binômio educação e mídia como categorias teóricas substantivas e toma uma experiência teórico-metodológica de pesquisa, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, com jovens de uma escola pública sergipana como referência. O questionário, os filmes seguidos de roda de conversa e a produção de jornal e vídeo foram os procedimentos metodológicos. Reconhece que as inovações tecnológicas se constituem em artefato significativo na vida dos sujeitos e aponta a formação como desafio estratégico para afirmar protagonismos e dialogicidade na ambiência escolar.

Da realidade em jogo ao jogo na realidade Da realidade em jogo ao jogo na realidade

hot!
Adicionado em: 17/09/2013
Date modified: 17/09/2013
Tamanho: 203.89 kB
Downloads: 2928

JUNIOR, Gilson Cruz. Da realidade em jogo ao jogo na realidade: os games como baluartes da mudança social. Praxia, UEG, Goiânia, v. 1, n. 2, p. 174-179, 2013.

RESUMO:

Essa resenha descreve e analisa o livro escrito por Jane McGonigal, intitulado "A realidade em jogo: por que os games nos tronam melhores e como eles podem mudar o mundo", e publicado em 2012 pela editora BestSeller. Trata-se de uma obra que defende uma hipótese relativamente ousada e controversa: muito mais do que formas de entretenimento, os games são capazes de desencadear transformações sociais significativas, e no futuro contribuirão para solução de vários problemas globais.

 

CULTURA PARTICIPATIVA, MÍDIA-EDUCAÇÃO E PONTOS DE CULTURA CULTURA PARTICIPATIVA, MÍDIA-EDUCAÇÃO E PONTOS DE CULTURA

hot!
Adicionado em: 22/05/2013
Date modified: 22/05/2013
Tamanho: 333.75 kB
Downloads: 1335

GIRARDELLO, Gilka; PEREIRA, Rogério Santos; MUNARIM, Iracema. Cultura participativa, mídia-educação e pontos de cultura: aproximações conceituais. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau/SC, v. 8, n. 1, p. 239-258, jan./abr. 2013.

RESUMO

Este artigo é um exercício de aproximação entre dois referenciais teórico-metodológicos estudados em nosso grupo de pesquisa nos últimos anos, sempre à procura de responder às demandas educativas dos contextos em que atuamos, em ensino, pesquisa e extensão. O primeiro desses quadros de referência é o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – Cultura Viva – criado no ano de 2004 pelo Ministério da Cultura para potencializar iniciativas já existentes no país e estimular e fortalecer uma rede nacional de criação e gestão cultural. Nossa reflexão toma como base os Novos Mapas Conceituais (BRASIL, 2009) sistematizados de forma colaborativa nos documentos do projeto Cultura Viva. O segundo quadro teórico de referência é a síntese propositiva dos desafios que a cultura participativa contemporânea coloca à mídia-educação, elaborada por um grupo de pesquisadores norte-americanos sob a coordenação de Henry Jenkins (JENKINS et al., 2006). Outro tema que atravessa a discussão neste artigo é o da tradução como mediação intercultural, que surge na busca por fazer aproximar e convergir ideias sobre mídia-educação e cultura participativa advindas de diferentes domínios linguísticos e culturais. A reflexão sobre essas diferentes realidades (propostas práticas, quadros teóricos e documentos) tenta resumir e organizar um imenso número de questões, por meio de um trabalho coletivo, polifônico e comprometido com as práticas culturais cotidianas, em escolas e comunidades. Nossa tentativa de “fazê-los conversar”, aqui apenas iniciada, é necessariamente um convite a que mais colegas entrem na conversa.