Textos completos publicados em anais de eventos

Acesso aberto aos Textos publicados pelos integrantes do LaboMídia em 2014.

Documentos

Ordenar por : Nome | Data | Acessos | [ Descendente ]

Luzes, câmera, ação Luzes, câmera, ação

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 10/12/2014
Tamanho: 1011.84 kB
Downloads: 820

PEREIRA, Rogério Santos, MIRANDA, Lyana Virgínia Thédiga, BRÜGGEMANN, Ângelo Luíz, FERRARI, Rodrigo Duarte. Luzes, câmera, ação: enquadrando a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos/2012. In: VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte. Anais... Matinhos/PR: Secretaria Estadual do Paraná/ CBCE, 2014

RESUMO 

O presente texto é parte de uma pesquisa coletiva que analisou, de forma comparativa, a cobertura jornalístico-esportiva dos Jogos Olímpicos de Londres/2012 (JO/2012) entre a Rede Record, detentora brasileira dos direitos de transmissão do evento, e as demais emissoras de TV aberta do país. No caso deste artigo, o interesse incidiu na cerimônia de abertura dos JO/2012. Constituíram-se como corpus de análise os conteúdos veiculados, no dia da abertura, nos jornais da Record, da Globo, da Band e do SBT. A fim de ampliar o conteúdo de comparações, optou-se, ainda, pelo monitoramento de postagens sobre a cerimônia no microblog Twitter. A base teórico-metodológica utilizada foi a Análise de Enquadramento, comum à pesquisa maior, além de aproximações ao conceito de Indústria Cultural, fundamento teórico específico para este artigo. Na discussão, a cerimônia de abertura do megaevento esportivo se apresentou como um produto audiovisual propicio ao entrelaçamento de características mercadológicas e interesses midiáticos-esportivos, que se refletiram no posicionamento, na construção do discurso e na veiculação dos conteúdos jornalísticos sobre os JO/2012.    

PALAVRAS-CHAVE: Jogos Olímpicos Londres/2012; enquadramento; rede social.   

Cultura e tecnologias: netnografia com jovens futebolistas brasileiros na Europa Cultura e tecnologias: netnografia com jovens futebolistas brasileiros na Europa

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 10/12/2014
Tamanho: 1.08 MB
Downloads: 866

BRÜGGEMANN, Ângelo Luiz; BITENCOURT, Fernando Gonçalves. Cultura e tecnologias: netnografia com jovens futebolistas brasileiros na europa. In: VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014, Matinhos. Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014.

Resumo

O brasileiro convive direta ou indiretamente com o futebol no seu dia a dia, ao ponto que este se tornou o esporte hegemonicamente reconhecido no território nacional e internacional como uma manifestação da cultura brasileira. Esta representação faz com que o tema tenha espaço no cotidiano dos noticiários, no discurso e no debate de grande parte da população brasileira, nos meios de comunicação de massa, na academia, na rua e, mais recentemente nas redes sociais. Este último âmbito de é tomado como locus de pesquisa, tendo como sujeitos jovens futebolistas brasileiros que atuam em clubes europeus. Como objetivo, queremos estudar de que formas eles interagem em suas redes sociais e assim mantem vínculos com a cultura e identidade brasileira. Para buscar este objetivo realizaremos uma netnografia nas redes sociais dos sujeitos da pesquisa, conforme sugerido por Robert Kozinets. O processo de análise dos dados se dará através de categorias teóricas (“Cultura”, “Religião”, “Família”, “Linguagem”) com a possibilidade de inclusão de categorias empíricas na descrição e interpretação do campo.

PALAVRAS-CHAVE: Jovens futebolistas; redes sociais; cultura/identidade; netnografia

Formação do professor de Educação Física Formação do professor de Educação Física

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 10/12/2014
Tamanho: 187.57 kB
Downloads: 880

FIAMONCINI, Luciana. Formação do professor de Educação Física: há espaço para a sensibilidade? In: VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências dos Esporte, 2014, Matinhos. Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências dos Esporte, 2014.

Resumo

O texto acima nos provoca pensar em nossas mais íntimas sensações, o que vai em nosso âmago, o que nos move, o que nos toca. As experiências pelas quais passamos marcam nosso modo de ser e de se relacionar. A abertura, o trato, o cuidado com a sensibilidade aguça as potencialidades humanas de discernimento e compreensão de nós mesmos, dos outros seres e fenômenos, ou seja, possibilita sentir a complexidade e inteireza da existência e da coexistência. Essa abertura permite perceber, olhar, ouvir o outro com empatia e solicitude. O autor acima quer se referir a esse universo sensível que muitas vezes não encontra a devida importância, pois este universo escapa à objetividade do mundo, escapa ao saber científico formal. É desse modo que aprendemos a agir, de acordo com a razão, confiando no que a ciência comprovou como verdade. Este é nosso referencial, então a ciência tem nos afastado de nosso saber sensível, de nossas experiências vividas, sentidas, percebidas que também devem ser reconhecidas como uma forma de saber (não a única), mas como uma forma também válida de apreensão do real.

O GIGANTE ACORDOU NA COPA DAS CONFEDERAÇÕES... E A EDUCAÇÃO FÍSICA? O GIGANTE ACORDOU NA COPA DAS CONFEDERAÇÕES... E A EDUCAÇÃO FÍSICA?

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 10/12/2014
Tamanho: 1.18 MB
Downloads: 882

SANTOS, Silvan Menezes. O Gigante Acordou na Copa das Confederações...e a educação física? Um estudo de recepção com professores em formação inicial. In: VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014, Matinhos. Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014.

Resumo

No momento esportivo do Brasil, de realização de megaeventos, a preocupação com as implicações deles à cultura esportiva do país tornou-se pauta principal de estudos acadêmicos. Em um estudo observacional-descritivo com inspiração etnográfica, o objetivo foi compreender como professores de Educação Física em formação inicial interagem com o discurso midiático-esportivo no âmbito da convergência digital. O estudo foi desenvolvido com cinco estudantes do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina. A investigação aconteceu em dois cenários que se complementaram: 1) online, no Facebook; 2) offline, com questionários mistos e entrevista coletiva. A interpretação dos dados foi apoiada no método de análise de conteúdo. Duas categorias temáticas foram empregadas na análise empírica dos dados: Megaeventos Esportivos e Manifestações Sociais. Consideramos como reflexões finais a necessidade do acompanhamento da Educação Física, da formação à intervenção, às constantes transformações socioculturais das tecnologias de informação e comunicação através da convergência digital; estar atento a esse processo para fazer aproximações entre as dimensões teóricas e práticas da formação cultural e humana na perspectiva da emancipação e do exercício da cidadania no contexto da cultura esportiva.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Física; Megaeventos Esportivos; Mídia; Convergência Digital.

TELEJORNALISMO E FUTEBOL NOS JOGOS OLÍMPICOS DE LONDRES/2012 TELEJORNALISMO E FUTEBOL NOS JOGOS OLÍMPICOS DE LONDRES/2012

hot!
Adicionado em: 10/12/2014
Date modified: 10/12/2014
Tamanho: 1005.62 kB
Downloads: 910

LOTTERMAN, Josimar; BIANCHINI, Leandro; FERMINO, Antonio Luis; FURTADO, Heitor Luiz; PIRES, Giovani de Lorenzi. Telejornalismo e futebol nos Jogos Olímpicos de Londres/2012: Alguns Enquadramentos da Televisão aberta brasileira. In: VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014, Matinhos. Anais do VII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte, 2014.

Resumo

Parte de uma pesquisa que analisa os enquadramentos do telejornalismo da TV aberta brasileira por ocasião dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, o presente estudo enfoca a cobertura jornalística da seleção brasileira masculina no torneio olímpico de futebol. Foram acompanhados os telejornais da Record, da Bandeirantes e Nacional (Globo) no período de 26/7 a 11/8/2012. A análise dos frames resultou na identificação de cinco categorias, que demonstram como o telejornalismo foi demarcado por interesses comerciais das emissoras que detinham ou não os direitos de transmissão dos jogos.

PALAVRAS-CHAVE: Telejornalismo, Enquadramento, Jogos Olímpicos, Futebol masculino, Televisão aberta.